EBD

O Ensino Bíblico Gravuras

 

CURSO BÍBLICO: INTEGRALIDADE DO SER

 

Prof. Eliseu Pereira (eliseugp@yahoo.com.br)

LIÇÃO 6 — O QUE SIGNIFICA ANDAR/VIVER NA CARNE 

Textos:         “Andai no Espírito, e jamais satisfareis a concupiscência da carne...“

            “Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito” (Gl 5.16,25).

 

[1]          INTRODUÇÃO

a.      Viver na carne: viver segundo a natureza físico-material a fim de satisfazer os impulsos que parecem ao próprio ser humano.

b.      Viver no Espírito: viver segundo a natureza físico/espiritual, orientado pelo Espírito Santo, a fim de satisfazer a vontade de Deus.

c.      Tensão no cristão: o cristão já vive no Espírito e, portanto, deve andar no Espírito.

d.      Objetivo: analisar o significado de ‘andar na carne’ e ‘andar no Espírito Santo’ e definir a atuação de Deus e a responsabilidade do cristão no seu andar diário.

 

[2]          UMA ILUSTRAÇÃO DE ANDAR SEGUNDO A DIREÇÃO DE DEUS

a.      Antigo Testamento: quando o povo de Israel estava peregrinando pelo deserto, uma nuvem sobre o tabernáculo os guiava de dia e de noite; a nuvem representava a constante presença de Deus sobre o Seu povo; segundo o movimento da nuvem, o povo parava ou andava (Nm 9:16, 18-19, 22-23).

b.      Novo Testamento: o Espírito Santo foi dado à igreja para guiar, orientar, consolar, edificar, santificar; o cristão é templo do Espírito Santo (1Co 3.16).

 

[3]          CONCEITO BIBLICO DE ANDAR/VIVER NA CARNE

a.      Significado: viver de acordo com os impulsos, viver para satisfazer a si mesmo, atender suas vontades próprias; luxúria; hedonismo — estado de rebelião e autonomia.

b.      Servir a si mesmo: ‘cujo deus é o ventre”; “servir ao ventre” – figura empregada para descrever o andar por seu próprio governo (rejeita o governo de Deus) e para satisfazer seus próprios desejos (rejeita a natureza humana físico/espiritual).

               i. “Cujo fim é a perdição; cujo Deus é o ventre, e cuja glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas” (Fp 3.19; compare com 2Tm 4.10).

             ii.“Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples” (Rm 16.18).

c.      Tríade do pecado: (1) a carne como pecaminosidade é inclinada para o (2) mundo e subordinada ao (3) diabo, conforme Efésios 2.2.

               i.Carne: incredulidade, ansiedade (Mt 6.25,28,31; Lc 12.29); religiosidade (Mc 7.5); trevas (Jo 8.12; 1Jo 1.6); soberba, orgulho (1Co 4.19); astúcia (2Co 4.2), vaidade da mente (Ef 4,17), tolice, necedade (Ef 5.15), desordenado (1Ts 3.6,11), queixosos, murmuradores, concupiscências (Jd 1.16,18)

             ii.Mundo: ou século, era (Tt 2.12); o sistema organizado contrário a Deus; não se refere ao planeta (Hb 11.3) nem as pessoas (Jo 3.16); o sistema que rege os homens (1Co 3.3), o curso do mundo (Ef 2.2), a vontade dos gentios (1Pe 4.3), a carne (2Pe 2.10; 3.3; 1Jo 2.11).

           iii.Diabo: ou maligno que opera nos filhos da desobediência; “o mundo jaz no maligno” (1Jo 5.19); “Agora é o juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo” (Jo 12.31; 14.30; 16.11); deus deste século (2Co 4.4); príncipe das potestades do ar (Ef 2.2); príncipe das trevas deste século (Ef 6.12); império da morte (Hb 2.14).

 

d.      Tríade da carne: (1) prazer imediato (“concupiscências da carne”), (2) possuir  (“concupiscência dos olhos”) e (3) superestimar a si mesmo (“soberba da vida”), conforme 1 João 2.16. 

               i.Concupiscência da carne: atender os desejos, apetites e impulsos imediatos, independente das conseqüências; o coração engana e seduz mas não controla as conseqüências dos atos humanos carnais;

1. “revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências” (Rm 13.14);

2. “Andai no Espírito e jamais satisfareis a concupiscência da carne” (Gl 5.16,24).

3. “Porque também nós éramos noutro tempo insensatos, desobedientes, extraviados, servindo a várias concupiscências e deleites, vivendo em malícia e inveja, odiosos, odiando-nos uns aos outros” (Tt 3.3).

4. Outras citações: 1Pe 1.14; 2.11; 4.2,3; 2Pe 1.4; 2.10,18; 3.3; Jd 1.16,18).

             ii.Concupiscência dos olhos: ambição, desejo de possuir; atração pelas belezas do mundo — do original kosmos (grego), ou ordem, ornamento (cosmético);

1. “Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé...” (1Tm 6.10).

2. “Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas” (2 Co 4.18).

3. “(Porque andamos por fé, e não por vista)” (2 Co 5.7).

           iii.Soberba da vida: soberba, do grego superbios, ou superephanos ou superestimar a si mesmo; altivez; o contrário da humildade; Deus resiste o soberbo mas concede graça aos humildes (Tg 4.6; 1 Pe 5.5).

1. “... digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um” (Rm 12.3).

2. “Porque, se alguém cuida ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo” (Gl 6.3).

3. Outras citações: 2Co 10.5; 1 Tm 6.17.

e.      carne X pecado: o pecado (carne) contaminou o homem inteiro; é o homem todo — não sua carne/corpo apenas — que, sob domínio do pecado, peca com atos (corpo), palavras (língua) e pensamentos (mente) — tudo que é e faz.  

f.        carne X morte: a lei de Deus revela o pecado e o pecado gera a morte; como todos os homens pecaram e todos os homens têm conhecimento moral de certo e errado, todos estão sob o domínio do pecado e da morte, pois “o salário do pecado é a morte” (Rm 6.23).  

 

[4]          PARA REFLETIR

a.      Qual a relação prática de viver na carne e andar na carne?

b.      O que significa mortificar os feitos da carne? O que é o contrário de “mortificar a carne”?

c.      Como o cristão pode andar na carne?

d.      O que o cristão deve fazer quando se vê andando na carne?