EBD

O Ensino Bíblico Gravuras

CURSO BÍBLICO: RENOVANDO A MENTE

Prof. Eliseu Pereira (eliseugp@yahoo.com.br)

 

LIÇÃO 01 – RENOVAÇÃO DA MENTE (RM 12.1-2)

INTRODUÇÃO

 

[1]          INTRODUÇÃO

a.      Problemas: Paulo diz que quem está em Cristo é nova criatura (2Co 5.17), mas em Rm 12.1 ele nos convoca a uma renovação diária. Ele diz que o cristão tem a mente de Cristo (1Co 2.16), mas ao mesmo tempo exorta à renovação da mente.

               i.Por que os que já são novos ainda devem ser renovados?

             ii.Por que os que já são vitoriosos precisam vencer cada dia?

           iii.Por que Cristo promete vida plena, mas a minha vida parece tão pobre?

            iv.Por que temos que renovar a mente se já temos a mente de Cristo?

              v.Enfim, como o cristão deve agir para possuir o que já é seu por direito?

b.      Objetivos: definir os recursos mentais e espirituais disponíveis em Cristo e o modo de crescer constante e diariamente na posse destes recursos a fim de preservar e crescer no conhecimento de Deus.

 

[2]          PANO DE FUNDO — CONCEITOS IMPORTANTES

a.      Abraão: Deus chama Abraão para uma nova terra desconhecida e o faz percorrer a região como um ato de fé; “Percorra esta terra de alto a baixo... porque eu a darei a você” (Gn 13.17).

               i.Promessa: Deus lhe disse para sair de Ur em direção a uma terra que ele lhe mostraria (Gn 12.1). Abraão obedece e segue em direção a Canaã. Depois que ele se separa de Ló, Deus lhe diz: a terra é esta em que você já está.

             ii.Aplicação: assim como Abraão já estava na terra mas não sabia, nós também já estamos em Cristo e por falta de conhecimento, podemos deixar de usufruir as riquezas da fé cristã. A vida cristã é esta que estamos vivendo; o que se espera de nós é fé para obedecer ao Espírito Santo no dia-a-dia.

b.      Conquista de Canaã: usando a conquista da terra de Canaã como tipo da vida cristã, distinguir os conceitos de direito de propriedade e posse da propriedade.

               i.Direito de propriedade: a terra dada a Israel ia do Mediterrâneo ao Eufrates (Dt 11.24), mas não poderia ser conquistada de uma vez; “o Senhor... lançará fora estas nações pouco a pouco” (Dt 7.22).  

             ii.Posse da propriedade: “todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado” (Js 1.3) — Deus já dera a terra toda aos israelitas, mas eles deveriam conquistá-la passo a passo; conquistar a posse. 

           iii.Aplicações:

1.      Direito de herança: todas as bênçãos espirituais e riquezas insondáveis de Cristo já foram adquiridas para nós por meio da sua obra na cruz; nós somos declarados herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo (Rm 8.17); toda plenitude da vida está à nossa disposição (1Co 3.22); nele nós já somos perfeitos.

2.      Posse da herança: agora que tudo já é nosso em Cristo, devemos nos apropriar pela fé, seguindo o Espírito diariamente e conquistando a realidade espiritual.

3.      “Tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais... quais as riquezas da glória da sua herança nos santos” (Ef 1.18;2.7;3.8,16;Cl 1.27).

4.      “o justo viverá pela fé” (Rm 1.17; Hb 10.38).

5.      “Deus não nos dá a vida vitoriosa; ele nos dá vida à medida que vamos vencendo” (Oswald Chambers).

6.      A batalha espiritual não é vencida de uma vez por todas, mas no dia-a-dia, à medida que Deus vai transformando o nosso coração, vamos vencendo com ele. Deus não espera que vençamos tudo de uma vez, mas que o sigamos dia-a-dia em obediência a Cristo e sua palavra, pela qual ele nos transforma.

c.      Conclusão: cada cristão é convocado a seguir o Senhor em obediência a fim de possuir efetivamente as bênçãos espirituais em Cristo. Deus não aceitará negligência, pois se os judeus que foram incrédulos no deserto foram punidos, “como escaparemos, se negligenciarmos tão grande salvação?” (Hb 2.1-4)

 

[3]          VISÃO PANORÂMICA DO CURSO

a.      Exortação: apresentar-se a Deus como sacrifício vivo, santo e agradável.

               i.“rogo-vos”: “rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus” (Rm 12.1); não se trata de ordem, mas de convocação dirigidas aos cristãos.

             ii.“pois” — conjunção conclusiva; ‘apresentai-vos a Deus’ à luz de tudo que foi exposto, a todas as verdades apresentadas ao longo do livro até aqui:

cap 1: a situação dos ímpios diante de Deus;

cap 2: a situação dos judeus diante de Deus;

cap 3: a situação de todo ser humano diante de Deus — todos pecaram;

cap 4: a justificação pela fé em Abraão;

cap 5: a justificação pela fé nos cristãos;

cap 6: a libertação do poder do pecado;

cap 7: a libertação do poder da lei;

cap 8: a nova vida em Cristo e as bênçãos espirituais dos cristãos;

(caps 9-11: tratamento de Deus em relação ao futuro do povo de Israel);

cap 12: o novo homem em Cristo deve viver a novidades diária pela fé.

           iii.Apresentar-se como sacrifício: em contraste com os sacrifícios de animais, os cristãos devem ser um sacrifício ambulante que vive para o prazer de Deus.

b.      Ordem negativa: “não vos conformeis com este mundo” — ou seja, não se amoldem a forma de ser, pensar, agir e de viver do mundo ao seu redor.

c.      Ordem positiva: “transformai-vos pela renovação da mente” — em lugar de tomar a forma, os cristãos mudar de forma, a começar pela mente — o centro de pensar, de decidir, de ser.

d.      Renovação da mente: processo de enfrentamento dos padrões mundanos à luz da Palavra de Deus (1Co 10.4, Ap 12.11).

e.      Propósito: viver para o prazer de Deus retorna em experimentar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus; nem sempre o sofrimento é a boa vontade de Deus; podemos sofrer por resultado de obedecer a Deus, mas também podemos sofrer como resultado de nossas próprios pensamentos, decisões e juízos errados.

 

[4]          PARA REFLETIR

a.      Vida cristã: se eu sou nova criatura, por que tenho pensamentos velhos, sentimentos velhos, pecados velhos, valores velhos, _____________ velhos, ...?

b.      Realidade: Deus trata conosco onde nós estamos de fato e como somos de fato; permita que Deus lhe mostre o seu estado espiritual (Sl 139.23-24), não para ele o conheça, mas para que você conheça a sua própria realidade espiritual.

c.      Deserto: a vida cristã envolve provações que tem a função de expor o coração. Moisés disse que Deus os levou pelo deserto para provar o coração (Dt 8.2,16).

d.      Triunfo: a vida cristã é triunfante, mas não triunfalista; se formos honestos, podemos ver que somos como gostaríamos e não fazemos o que deveríamos; a vida cristã envolve autonegação diária, momentos de alegria e de tristezas, de luz e de sombras, de comunhão e de solidão aparente.

e.      Deus não nos dá a vida vitoriosa; ele nos dá vida à medida que vamos vencendo.

f.        Consagração: entregue-se a Deus no que ele lhe mostrar, onde você está agora (não onde gostaria de estar), do jeito que você se encontra agora (não do jeito que você gostaria de estar.

g.      Exercício de renovação da mente: pense na vida cristã como um direito de herança, adquirido pela graça, que você deve entrar na posse efetivamente; não superestime sua carreira cristã, mas também não subestime o que Deus já fez em sua vida. “Conserva o que você tem” (Ap 3.11), mas continue conhecendo o Senhor (Os 6.3).

h.      Lembrete: todo tratamento espiritual se dá em um ambiente seguro pelo amor de Deus.